Imposto adicional para solteiros, isenção de IR para escritor e outras curiosidades da história do imposto de renda da Receita Federal. Segundo a própria RFB, confira os itens de algumas das normas mais bizarras dessa história! Preparado? Confira a seguir.

Imposto de Renda da Receita Federal

No Brasil, a primeira tentativa de efetivação da taxa data o ano de 1843. Porém, a imposição colocada pelo setor empresarial levou o IR a ser fundado em 1922, através da Lei 317.

Por sua vez, até 1964, escritores, jornalistas e professores eram isentos da tributação. Além disso, o status de relacionamento era um critério sobre o quanto de tributo um contribuinte deveria pagar.

Profissionais isentos

Segundo o Decreto nº 16.581 de 1924, foi aprovado o primeiro regulamento do imposto de renda. Assim, todos os contribuintes em seu primeiro ano de trabalho da sua primeira profissão eram isentos.

Entretanto, essa isenção era quase simbólica. Ainda que dificilmente os rendimentos do primeiro emprego superavam o limite de obrigatoriedade da declaração. Na época, contava 10 contos de réis/ano.

Só o marido poderia declarar os filhos como dependentes

Segundo a própria Receita Federal:  num surto machista, o Decreto nº 21.554 de 20 de junho de 1932 só permitiu ao marido fazer a dedução de encargos de família relativa aos filhos, na constância da sociedade conjugal, no caso de os cônjuges fazerem separadamente declarações de rendimentos.

Isenção de imposto de renda para escritor, jornalista e professor

Em 1934, a Constituição Federal criou uma isenção de impostos para escritor, jornalista e professor. Conforme dispunha o artigo 113: “Nenhum imposto gravará diretamente a profissão de escritor, jornalista ou professor.”

Entretanto, a isenção foi revogada em 1964, através da Emenda Constitucional nº 9 de 22 de julho de 1964.

Faça o download deste post inserindo seu e-mail abaixo

Não se preocupe, não fazemos spam.
Powered by Rock Convert

Presidente da República, senadores, deputados e ministros com alíquota diferencial no imposto

Em 1914 foi estabelecida uma norma cuja possibilidade de aplicação hoje seria mais do que remota, para dizer o mínimo. A necessidade de arrecadação de recursos era tanta, que a Receita Geral da República dos Estados Unidos do Brasil na época determinou que governantes tivessem uma alíquota maior.

Em outras palavras, o Presidente da República, senadores e deputados teriam alíquota mais elevada no imposto sobre vencimentos, ordenados, etc.

As alíquotas então vigentes eram dispostas da seguinte forma:

  • De 100$ até 299$ mensais – 8%.
  • De 300$ até 999$ mensais – 10%.
  • De 1:000$ mensais ou mais – 15%
  • Presidente da República, Senadores, Deputados e Ministros de Estados – 20%.
  • Vice-Presidente da República – 8%.

Desconto no pagamento antecipado

Eventualmente, muitos contribuintes não se sentem incentivados a entregarem sua declaração antecipadamente. Mas é provável que a história fosse diferente se a Lei nº 154 de 25 de novembro de 1947 ainda valesse. Ela estabelecia um desconto aos contribuintes que fizessem o pagamento integral do imposto no ato da entrega da declaração. Isso, claro, antes do prazo final estabelecido.

Assim, os descontos eram de 5% se o pagamento fosse efetuado em janeiro; 3% em fevereiro; e 1% em março. E chegaram ao teto de 8% para pagamentos efetuados em janeiro. 6% em fevereiro e 4% em março em 1975, ano em que deixaram de vigorar.

Imposto de Renda da Receita Federal: a origem do Leão

O símbolo do Leão para o Imposto de Renda da Receita Federal surgiu em 1979. Através de uma campanha publicitária à nível nacional, o objetivo era popularizar a taxação perante o grande público.

Segundo as definições, o Leão é mais associado ao imposto em si do que à Receita Federal. Ainda que inicialmente sua maior ligação fosse com a fiscalização, sua imagem ficou mais ligada à arrecadação.

Por isso, mesmo sem propagandas mais recentes, a figura do Leão permanece atual para os contribuintes. Assim, a campanha é lembrada como uma das peças publicitárias mais bem-sucedidas da mídia brasileira.

Imposto adicional para os solteiros

O Decreto-lei nº 3.200 de 19 de abril de 1941, é um dos mais polêmicos da história do imposto de renda da Receita Federal. Com o propósito de instituir uma série de regras sobre a organização e proteção da família.

Como resultado, uma das mais bizarras era a que distinguia a tributação segundo o estado civil do contribuinte, sua idade e a quantidade de filhos que possuía. Por isso, ficou popularmente conhecida como “imposto de renda do solteiro”.

Alguns trechos do decreto:

“Art. 32. Os contribuintes do imposto de renda, solteiros ou viúvos sem filhos, maiores de vinte e cinco anos, pagarão o adicional de quinze por cento, e os casados, também maiores de vinte e cinco anos, sem filho, pagarão o adicional de dez por cento, sobre a importância, a que estiverem obrigados, do mesmo imposto.

Art. 33. Os contribuintes do imposto de renda, maiores de quarenta e cinco anos, que tenham um só filho, pagarão o adicional de cinco por cento sobre a importância do mesmo imposto a que estiverem sujeitos.

Art. 35. Para efeito do pagamento dos impostos de que trata o presente capítulo, ficam os contribuintes do imposto de renda obrigados a indicar, em suas declarações, a partir do exercício de 1941, a respectiva idade.”

Como consequência, a partir da declaração de 1942, foram criados dois campos: um para o contribuinte informar o valor do adicional de proteção à família e outro para declarar a sua idade.

Lei contestada

A Lei foi tão contestada que levou o órgão responsável pelo imposto na época a fazer o seguinte pronunciamento:

“O objetivo da lei criando semelhante imposto não foi coagir indiretamente ao matrimônio e a fundação de família numerosa nem punir os casais estéreis.

Não se trata do imposto do celibato […] como a Lei Sui Celibi adotado na Itália em 1927, a qual sujeitava ao imposto os celibatários entre 25 e 65 anos, excetuando os religiosos obrigados à castidade, mutilados de guerra, interditos por moléstias mentais, estrangeiros, inválidos e internados em casas de saúde.

Interessado o Estado na organização da família […], competia-lhe auxiliar o progresso e o fortalecimento dessa instituição, provendo as necessidades das famílias numerosas e amparando-as na grande luta econômica atual.

A solução social do problema estava no recurso ao novo ônus, baseando-se no imposto de renda, para tornar mais justa e equitativa a sua repartição e fazendo-o recair de preferência sobre os contribuintes solteiros, viúvos ou casados sem filho, cuja capacidade de contribuição é mais elevada em razão da falta de dependentes.”

A Lei de proteção à família vigorou até a declaração de 1964, ano-base de 1963.

Imposto de Renda da Receita Federal em vídeo

Você já sabia desse outro lado da história do Imposto de Renda da Receita Federal? Se ficou surpreso e conhece alguém que também se impressionaria com alguns dos dados citados, compartilhe! Além disso, deixe seu comentário aqui em baixo!

Curta no Facebook.
Siga no Instagram.
Conecte-se no LinkedIn.
Inscreva-se no YouTube.


Diana Hada

Bacharel de Publicidade e Propaganda, com qualificação técnica em Assistente de Atendimento, Planejamento, Criação e Produção Publicitária no Centro Universitário Senac. Especialista em Inbound Marketing e Produção de Conteúdo para Web pela Rock Content; certificada em Redes Sociais pela Unieducar e em Comunicação Integrada de Marketing pela ESPM.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *